HEITOR BORBA INFORMATIVO N 82 JUNHO DE 2015


Recife/PE, junho de 2015 – Exemplar nO 00082 – Publicação Mensal


O implacável conhecimento científico


A ciência é implacável porque desmascara mitos, mostra a realidade e revela verdades através do seu caráter sistemático e metodológico.

Com o advento da democracia e de tecnologias que permitem o acesso fácil a informação, acreditou-se por um momento que as pessoas ficariam mais informadas e menos ignorantes. No entanto, não foi bem isso que ocorreu. Como se já não bastasse o analfabetismo funcional,  muitas pessoas continuam analfabetas científicas por opção. Algumas têm até orgulho disso. Espaços democráticos, como as redes sociais e a televisão, servem apenas para veicular mais ignorância. Parece que a humanidade está perdendo a capacidade de pensar. Deficiência essa já sentida pelas organizações que empregam esse pessoal.[1] O fato é que toda tecnologia disponibilizada é empregada unicamente para o pleno conhecimento de bobagens.

Apesar das escolas transmitirem informações sobre o Conhecimento Científico, considerando que os alunos demonstram possuir alguns conhecimentos sobre o Método Científico, é perceptível a deficiência do ensino sobre temas essenciais para o desenvolvimento de uma pesquisa com qualidade e aplicabilidade, inclusive, para os alunos diretamente ligados a pesquisa científica.[2] Exemplo disso são os professores de biologia que teimam em ensinar criacionismo nas escolas, apensar do MEC já ter condenado essa prática por não ser uma Teoria Científica e não seguir o Método Científico.[3]

Felizmente nem todos são idiotizados.[4] Há profissionais sérios e altamente capacitados também no Brasil. São os profissionais que pensam.

Profissionais que pensam devem saber coletar dados, observar, analisar, formular hipóteses, realizar experimentos e concluir a respeito do fenômeno estudado.

A observação científica deve ocorrer num contexto previamente preparado para determinado evento. A observação científica pressupõe um conjunto de conhecimentos e informações prévias a respeito do fenômeno que se pretende observar.

A hipótese surge da observação científica e consiste apenas numa conclusão provisória que necessita de comprovação através de mais estudos e experimentos que devem ser realizados de acordo com a Metodologia Científica.

A generalização ou conclusão final ocorre quando a hipótese é definitivamente comprovada por meio de réplicas realizadas em todas as situações semelhantes à anteriormente observada.

As principais características do Conhecimento Científico são:[5]
Sistematização
A ciência é organizada de forma sistêmica. Sistemas são entes orgânicos e coerentes onde as hipóteses e as conclusões científicas se encontram.

Verificação
Todas as conclusões científicas devem ser verificadas por meio de experimentos. É através do experimento que as hipóteses são comprovadas e se tornam teorias. Teoria Científica não é teoria popular. Teoria Científica é fato. Teoria popular pode ser fato ou crença.

Operatividade
O postulado reza que todo e qualquer conceito científico possui valor cientifico somente se for definido mediante uma série de operações físicas, experiências e medidas idealmente possíveis (réplicas). Na publicação de artigos científicos há a exigência da indexação, que é um organismo que promove a revisão de pares.[6]

Objetividade
As conclusões científicas não devem ser influenciadas por causas, questões, crenças, sentimentos ou qualquer outro elemento afetivo ou subjetivo. A objetividade da ciência impõe um caráter universal e, portanto, verdadeiro.

Funcionários que não seguem a Metodologia Científica[7] no uso das suas atribuições estão fadados a erros constantes e graves. Ser racional e utilizar a Metodologia Científica no trabalho não significa ser frio e sem sentimentos. O Método deve ser aplicado aos sistemas e não as pessoas. Gestão de Pessoas é diferente de Gestão de Sistemas. Na verdade, há necessidade do Gestor aplicar as duas metodologias: Ser humano, justo e compreensível e ao mesmo tempo ser racional o suficiente para não ser enganado ou fazer besteira. 

A Gestão do Conhecimento Científico nas empresas deve considerar o planejamento e controle das ações (políticas, mecanismos, ferramentas, estratégias, metodologias e outros) responsáveis pelo fluxo do Conhecimento Científico em suas vertentes tanto subjetiva quanto explícita, fundamentando-se nos processos de Comunicação Científica[8] a fim de apoiar e maximizar a fomentação de novos conhecimentos que possam ser aplicados na melhoria dos diversos sistemas organizacionais.[9] A Teoria da Contingencia pode alavancar esse processo nas organizações, tanto interno, quanto externamente.[10]  

Webgrafia:
[1] Deficiência sentida pelas organizações

[2] Deficiência das escolas na transmissão do conhecimento científico

[3] MEC condena ensino do criacionismo nas escolas

[4] Nem todos são idiotizados

[5] Principais características do conhecimento científico


[6] Artigos científicos

[7] Metodologia Científica

[8] Comunicação Científica

[9] Conhecimento Científico aplicado

[10] Teoria da Contingencia

[11] Artigos relacionados











Arquivos antigos do Blog


Para relembrar ou ler pela primeira vez sugerimos nesta coluna algumas edições com assuntos relevantes para a área prevencionista. Vale a pena acessar.
       
EDIÇÃO SUGERIDA
HBI HEITOR BORBA INFORMATIVO N 50 OUTUBRO DE 2012
Veiculando as seguintes matérias:

CAPA
-“O Designado da CIPA”
Artigo sobre indicação, capacitação e funcionamento desse controverso elemento prevencionista.

COLUNA RISCO QUÍMICO X INSALUBRIDADE
-“ Um pouco de toxicologia ocupacional - Solventes
Breve dissertação sobre o tema.

COLUNA ERGONOMIA
- “Cadeira ergonômica”
Existe esse equipamento?

E ainda a coluna “O leitor pergunta”.




Flexão & Reflexão



Empresas devem elaborar o LTCAT
  
O LTCAT – Laudo Técnico de Condições Ambientais de Trabalho continua sendo obrigatório para todas as empresas.

No parágrafo sexto do Artigo 68 do Decreto 3048/99[1] temos: “§ 6º  A empresa que não mantiver laudo técnico atualizado com referência aos agentes nocivos existentes no ambiente de trabalho de seus trabalhadores ou que emitir documento de comprovação de efetiva exposição em desacordo com o respectivo laudo estará sujeita às penalidades previstas na legislação.

O “documento de comprovação de efetiva exposição” atualmente é o PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário.[2]

A atual IN 77,[3] em seu “Capítulo V – Dos benefícios e serviços => Seção V – Da aposentadoria especial”, obriga todas as empresas que possuam trabalhadores em atividades sujeita a condições especiais a elaborar o LTCAT.

A exigência do LTCAT é condição para que o trabalhador possa pleitear a sua aposentadoria especial, corroborada no PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário.

O fornecimento do PPP ao empregado por parte da empresa é obrigatório. O PPP deve ser preenchido com base no LTCAT. O LTCAT agora deve ser anexado ao PPP.

A princípio a obrigatoriedade legal para elaboração do LTCAT recai apenas nas empresas que possuem trabalhadores expostos a agentes nocivos físicos, químicos ou biológicos, conforme elencados no “Anexo IV – Classificação dos Agentes Nocivos”[4] do Decreto 3048/99.

No entanto, para que a empresa possa comprovar que todo ou parte do seu efetivo não se encontra laborando em atividades sujeitas a condições especiais deve estender a elaboração do LTCAT a todas as funções e atividades. Mesmo as empresas que não possuem trabalhadores expostos a agentes nocivos devem elaborar o LTCAT por ser esse documento único diploma legal instituído para caracterização ou não de atividades especiais. 

Também, os sindicatos de diversas categorias profissionais estão exigindo o PPP no ato da homologação da rescisão do contrato de trabalho que deve ser preenchido com base no LTCAT respectivo.

Agora, através da IN 77 a Previdência Social exige que o LTCAT respectivo seja anexado ao PPP quando da entrega do mesmo ao trabalhador ou do requerimento do beneficio por parte do segurado, assunto este já discutido aqui.[5]

Portanto, todas as empresas de todos os ramos de atividade devem elaborar o LTCAT, mesmo as que não possuem trabalhadores expostos a agentes nocivos físicos, químicos ou biológicos previstos em lei. Essa medida visa garantir que a empresa não sofra processos futuros de reconhecimento de atividades como especiais, além de também poder servir como Laudo de Avaliação da Insalubridade, em alguns casos. Digo em alguns casos porque todo agente nocivo que sujeite o trabalhador a condição de atividade especial também é considerado insalubre, mas nem todo agente insalubre pode ser considerado especial. A relação de agentes especiais do INSS é menor do que a relação de agentes insalubre da NR-15 (MTE).[6]

Como exemplo, podemos citar a função de Operador de Retroescavadeira. Para essa função há necessidade de avaliação quantitativa de ruído, poeiras e vibração de corpo inteiro. Quando as condições de trabalho forem idênticas a vários trabalhadores é possível elaborar um LTCAT Coletivo contemplando a função e a atividade que são comuns aos trabalhadores desse Grupo Homogêneo de Exposição – GHE específico.

Há previsão na IN 77 para utilização das informações constantes em programas preventivos como PPRA e PCMAT no preenchimento do PPP, mas para isso é necessário que esses programas preventivos possuam os elementos básicos constitutivos do LTCAT. Significa dizer que os programas preventivos devem possui os LTCAT respectivos das funções/atividades anexados aos mesmos, ou no mínimo, o levantamento ambiental dos agentes nocivos conforme os critérios da IN 77 (INSS), que diferem dos critérios da NR-15, utilizados na elaboração de programas preventivos. A Elaboração apenas do PPRA, por exemplo, pode não estar resolvendo o problema da empresa em relação ao assunto. Bomba essa que só vai explodir tempos depois, quando da entrada no INSS dos requerimentos dos trabalhadores para pleitear benefícios.

PPRA não é LTCAT e atividade especial não é atividade insalubre ou perigosa. Para que os dados do levantamento ambiental do PPRA possam ser utilizados no preenchimento do PPP é necessário que o levantamento seja realizado conforme os critérios e as metodologias da FUNDACENTRO[7], exceto, para o fator de troca do ruído que deverá seguir a NR-15.[8]

A documentação de segurança e saúde do trabalhador deve ser elaborada em harmonia: PPRA => PCMSO => LTCAT => PPP. Se o PPRA diz que determinado protetor auricular possui nível de eficiência suficiente para reduzir o nível de ruído no ouvido do trabalhador a patamares seguros, o mesmo deve dizer o LTCAT. Em contrapartida, o exame audiométrico correspondente não deve apresentar perda auditiva por desencadeamento ou agravamento no período considerado. Qualquer furo nessa relação oferecerá prato cheio para que os reclamantes obtenham sucesso em processos trabalhistas.

Sempre em conversa com empresários, percebo o descrédito em relação aos seus investimentos na área de segurança e saúde no trabalho. Alegam que investem pesado na área e depois precisam pagar insalubridade, danos morais e alíquotas excedentes da atividade especial. Isso é devido a existência de falhas na gestão de segurança e saúde ocupacional.

Erro facilmente observável, como é o caso das respostas automáticas e sucessivas no campo respectivo do PPP (geralmente nas empresas que usam softs) constando “EPI Eficaz? Sim” atrelado a CA – Certificado de Aprovação do EPI cuja eficiência não consegue reduzir o valor da intensidade ou concentração do agente nocivo informado a patamares abaixo do Limite de Tolerância (portanto não eficaz para o caso).  Ainda temos casos de exames médicos alterados indicando que o EPI ou EPC utilizado não é eficaz, pois o agente nocivo vazou para o organismo do trabalhador. Discrepâncias como essas levam a fiscalização do INSS até a empresa, que acabam encontrando outras irregularidades, culminando em multas pesadas.

As construtoras devem elaborar o LTCAT por obra, etapa, função e atividade realizada pelo trabalhador, agrupando o máximo os trabalhadores com exposições ocupacionais semelhantes de modo a compor Grupos Homogêneos de Exposição – GHE. Os LTCAT devem ser preenchidos preferencialmente em formulário padrão, com no máximo duas páginas, objetivando facilitar a localização do documento nos arquivos da empresa, a localização das informações no documento e sua vinculação no PPP no ato da entrega. O formulário padrão deve conter as informações solicitadas (elementos básicos constitutivos) do LTCAT, conforme previsto na IN 77. 

Portanto, toda organização precisa de uma gestão para a área de segurança e saúde ocupacional com o objetivo de uniformizar procedimentos e deflagrar ações a fim de corrigir em tempo hábil possíveis desarmonias físicas e documentais existentes. Contrate um consultor da sua confiança e boa gestão de segurança e saúde ocupacional.

Webgrafia:
[1] Decreto 3048/99

[2] PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário

[3] IN 77 do INSS

[4] Anexo IV – Classificação dos Agentes nocivos

[5] Assunto este já discutido

[6] NR-15 (MTE)

[7] NHO da FUNDACENTRO

[8] Fator de troca da NR-15

  

Ajuda para profissionais de RH/GP



Auxílio para Gestão de SSO na área de RH/GP

Aqui selecionamos uma série de artigos sobre assuntos de interesse do Departamento de Recursos Humanos ou de Gestão de Pessoas das Organizações. Postados de forma sequenciada, os profissionais podem acessar as informações completas apenas clicando sobre os títulos na ordem em que se apresentam. Para não sair desta página, o leitor deverá clicar sobre o título com o mouse esquerdo e em seguida clicar em “abrir link em nova guia”, após marcar o título.

Boa leitura.

[1] Auxílio para Gestão do Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP












[2] Auxílio para Gestão de SSO na área de RH/GP

























Os riscos e suas implicações


O HBI tem uma série de artigos sobre riscos químicos iniciados na Coluna “Segurança com produtos químicos”, quando o HBI ainda era no formato “pdf”.

Ideal para estudantes da área e profissionais que desejem aprofundar seus conhecimentos.

Você pode ler todo o trabalho a partir da Edição de número 14 do HBI que tem inicio aqui:

  
A partir desta edição, basta clicar em “postagens mais recentes” no final da página e acompanhar a sequencia dos assuntos de modo a formar um volume único sobre o tema.

Para as publicações em “pdf”, postadas no formato foto, você deverá clicar sobre a imagem do HBI correspondente a página para ampliar. Após ler a edição ampliada, clicar na seta “voltar” no topo da página (onde tem o endereço eletrônico do Blog), para retornar a edição em formato pequeno.

O conhecimento é essencial para o sucesso profissional.

Boa leitura.


Como calcular o tempo de recarga das baterias de alimentação dos aparelhos de medição?

Baterias com pouca carga podem danificar os aparelhos utilizados na área de segurança do trabalho e até causar erros nas medições ambientais.

Geralmente as baterias utilizadas nesses aparelhos são do tipo recarregáveis. Baterias recarregáveis ou de armazenamento são as que podem ser recarregadas e utilizadas várias vezes. Isso ocorre porque essas baterias possuem a capacidade de acumular e armazenar energia.

Baterias são dispositivos que possuem dois eletrodos, um anodo (negativo) e um catodo (positivo). As baterias contem produtos químicos e metais como níquel, mercúrio e chumbo- ácido. Entre os eletrodos ocorre a corrente elétrica gerada pela diferença de potencial existente. A tensão elétrica é produzida em decorrência de produtos químicos chamados eletrólitos.

As baterias podem ser de:
NiCd - Níquel cádmio: Possui vida longa, alta corrente de descarga e preço baixo. As principais aplicações são telefones sem fio, walkie-talkies, equipamentos médicos, câmeras de vídeo profissionais e ferramentas elétricas. Contém material tóxico e não podem ser descartadas no meio ambiente. Precisam ser recicladas.

NiMh - Níquel metal hidreto: Possui densidade de energia mais alta que as de NiCd, mas com ciclo de vida inferior. Aplicações principais em telefones celulares, câmeras digitais e notebooks.

Chumbo-Ácido: Bateria bastante econômica, mas muito pesada. Utilizada em equipamentos hospitalares, cadeira de rodas elétricas, luz de emergência e nobreaks.

Lítio-Íon Polímero: Possui alta densidade de energia. Possui a característica de poder ser fabricada com uma espessura muito fina e numa embalagem simples. Aplicam-se em telefones
celulares.

Antes de comprar um equipamento de medição verifique qual tipo de bateria que ele utiliza. As baterias, quando inutilizadas, devem ser descartadas nos locais de recolhimento, para destinação a reciclagem. Não jogue baterias no lixo.

Cuidados com as baterias
As baterias são produtos perecíveis e se deterioram com o tempo. Não estoque baterias por muito tempo. Verifique a data de fabricação antes da compra. Mantenha as baterias em um local fresco e seco. Pode ser refrigeradas mais não congeladas. Em ambientes refrigerados devem ser protegidas contra a umidade.  A bateria de NiCd pode ser armazenada por cerca de cinco anos. As cargas devem se completas seguindo-se do descarregamento completo para nova recarga. Demais cuidados podem ser encontrados no manual do fabricante e na Webgrafia anexa.

Cargas insuficientes podem causar erros de medição e danos ao aparelho. Cargas em excesso podem causar danos à bateria e ao aparelho também (caso a bateria estoure dentro do aparelho). Não deixe as baterias dentro do aparelho de medição por vários dias quando não estiver em uso.

Os terminais de contato do aparelho de medição com os polos da bateria podem sofrer oxidação e dificultar a passagem da corrente elétrica. Quando isso ocorrer, lixe o terminal com uma lixa fina ou retire a incrustação esfregando a ponta de uma chave de fenda na face de contato do terminal. Cuide para que os resíduos não entrem no aparelho e impregne a placa eletrônica.

As baterias possuem tempo de carga diferentes em função da capacidade, corrente do carregador e carga atual da bateria.

Ao se utilizar um carregador lento e não “inteligente” (que não possui sistema automático de interrupção da carga) é necessário calcular o tempo de carga máximo da bateria para que ela não queime.

Cálculo para estimar o tempo de recarga da bateria:
Uma forma rápida de estimar o tempo de carga da bateria pode ser através deste site:


Entre com os dados:

Capacidade da pilha = 1000 mAh (gravado no corpo da pilha);

Corrente do carregador = 100 mA (gravado na etiqueta na parte de trás do carregador);

Carga atual da pilha = Totalmente descarregada.

O resultado é uma carga de aproximadamente 12 horas. A carga da bateria pode ser estimada em porcentagem em função da coluna de indicação de carga que aparece no visor do aparelho ou medida por meio de um aparelho multímetro.

As baterias recarregáveis tipo A, AA e AAA trabalham com uma voltagem de 1,2 V e não 1,5 V como as pilhas não recarregáveis.

Visualização do cálculo no site:


Para quem gosta de calcular a fórmula é:

T = CB / CC x 1,2

Onde:

T = Tempo de carga da bateria, em horas;

CB = Capacidade da bateria, em mAh;

CC = Corrente do carregador (output do carregador), em mA;

1,2 = Tensão da bateria recarregável, em V.

Então:

T = 1000 / 100 x 1,2 = 12 horas de carga.

Os dados (output ou saída do carregador) se encontram na etiqueta ou carcaça do dispositivo. Cargas com tempos excedentes podem queimar a bateria. Caso a temperatura da bateria, por algum motivo, fique muito elevada, poderá ocorrer a queima da mesma. Constatando-se temperatura elevada, retira da tomada. O tempo de carga é estimado numa bateria totalmente descarregada.

Existem carregadores inteligentes, como é o caso do modelo “MINI”, da BOL, ofertado no site da QG. Esse dispositivo interrompe a carga da bateria quando a mesma está carregada e o tempo de carga é bem menor.

Boas medições ambientais.

Webgrafia:















Ergonomia




O HBI tem uma série de artigos sobre ergonomia publicados na Coluna Ergonomia. Um verdadeiro tratado sobre o assunto. Ideal para estudantes da área e profissionais que desejem aprofundar seus conhecimentos.

Você pode ler todo o trabalho a partir da Edição de número 39 que tem inicio aqui:

  
A partir desta edição, basta clicar em “postagem mais recente” no final da página e acompanhar a sequencia dos assuntos de modo a formar um volume único sobre o tema.

Lembrando que o conhecimento é essencial para o sucesso profissional.

Boa leitura.

  
O leitor pergunta...



POLÍTICA DE COMENTÁRIOS
Considerando que não sou “dono da verdade”, convido profissionais e especialistas a postarem comentários com refutações, críticas, sugestões ou endossos concernentes aos assuntos abordados.

Favor direcionar comentários com conteúdo de críticas ao argumento e não ao argumentador (ou ao artigo e não ao autor). As refutações ou alegações devem ser embasadas em fontes indexadas, caso contrário, não serão consideradas. Demais comentários são livres, desde que pertinentes aos assuntos abordados.

Ao Administrador deste Blog é reservado o direito de publicar quaisquer perguntas enviadas através dos e-mails veiculados, inclusive com identificação do autor da pergunta. No entanto, as empresas serão preservadas.

Enviar perguntas para o e-mail:


Com a citação “Coluna o leitor pergunta”. Obrigado.

Pergunta:
A legislação previdenciária diz que o PPRA pode ser utilizado para preenchimento do PPP, então não preciso elaborar o LTCAT?

Resposta:
O PPRA pode conter os “elementos constitutivos básicos do LTCAT” com os dados para preenchimento do PPP. Você já viu algum que contenha? Aconselho a elaborar o LTCAT que é o documento ideal para embasar o preenchimento do PPP. Mais informações leia o artigo “Empresas devem elaborar o LTCAT”, na coluna “Flexão & Reflexão”.




Banco de Currículos é um serviço gratuito que objetiva a reinserção de profissionais no mercado de trabalho e é destinado aos leitores em geral.

As referencias profissionais devem ser levantadas pelas empresas solicitantes através dos dados curriculares.

O administrador deste Blog não se responsabiliza pelos dados constantes dos currículos enviados.

Os currículos são cadastrados por Título Profissional e enviados as empresas de acordo com o perfil solicitado. Não realizamos seleção pessoal.

Os profissionais disponíveis para o mercado de trabalho devem enviar seus currículos no formato “pdf” ou “Word” e salvo com nome de arquivo contendo a função, o primeiro e último nome, mês atual e ano, conforme exemplos abaixo:

Téc. Segurança Manoel Alves julho 2013.pdf

Eng. Segurança Almir Lima agosto 2013.doc

Enfermeiro José Tenório julho 2013.docx  

Estagiário Téc. Segurança Jose Silva agosto 2013.doc

ATENÇÃO:
Currículos enviados no próprio e-mail ou em outros formatos que não seja “pdf” ou “Word” não serão considerados.
                       
Gestores/Empresas:
Solicitem gratuitamente cópia dos currículos dos diversos profissionais cadastrados no nosso Banco de Currículos através do e-mail:


Profissionais Interessados:
Favor enviar currículos para composição do Banco de Currículos através do e-mail:


Agradeço as empresas e aos profissionais que acreditam no nosso trabalho.


Frase de segurança:

“ Gestão científica é gestão segura ”


Datas comemorativas

J U N H O
Feriados e Datas Comemorativas de Junho de 2015
01                    SEG                Semana Mundial do Meio Ambiente
01                    SEG                Dia da Imprensa
03                    QUA               Dia Internacional do Administrador de Pessoal e da Comunidade Social
03                    QUA               Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil
04                    QUI                 Corpus Christi
05                    SEX                Dia da Ecologia
05                    SEX                Dia Mundial do Meio Ambiente
08                    SEG                Dia do Oceanógrafo
08                    SEG                Dia do Citricultor
08                    SEG                Dia Mundial dos Oceanos
09                    TER                Dia da Imunização
09                    TER                Dia do Porteiro
09                    TER                Dia do Tenista
09                    TER                Dia Nacional de Anchieta
09                    TER                Dia Internacional dos Arquivos
10                    QUA               Dia da Artilharia
11                    QUI                 Dia da Marinha Brasileira
11                    QUI                 Dia do Educador Sanitário
12                    SEX                Dia dos Namorados
12                    SEX                Dia do Correio Aéreo Nacional
12                    SEX                Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil
13                    SÁB                Dia de Santo Antônio
13                    SÁB                Dia do Turista
14                    DOM              Dia do Solista
14                    DOM              Dia Mundial do Doador de Sangue
15                    SEG                Dia do Paleontólogo
17                    QUA               Dia do Funcionário Público Aposentado
17                    QUA               Dia Mundial de Combate à Desertificação
18                    QUI                 Dia do Químico
18                    QUI                 Dia da Imigração Japonesa
19                    SEX                Dia do Cinema Brasileiro
19                    SEX                Dia do Migrante
20                    SÁB                Dia do Revendedor
20                    SÁB                Dia do Vigilante
20                    SÁB                Dia do Refugiado
21                    DOM              Dia do Mídia
21                    DOM              Dia do Profissional de Mídia
21                    DOM              Dia do Aperto de Mão
21                    DOM              Dia Mundial do Skate
21                    DOM              Dia do Intelectual
21                    DOM              Início do Inverno
22                    SEG                Dia do Orquidófilo
22                    SEG                Dia do Aeroviário
23                    TER                Dia Mundial do Desporto Olímpico
23                    TER                Dia do Atleta Olímpico
23                    TER                Dia do Desporto
23                    TER                Dia do Lavrador
24                    QUA               Dia de São João
24                    QUA               Dia do Disco Voador
24                    QUA               Dia do Observador Aéreo
24                    QUA               Dia do Caboclo
25                    QUI                 Dia do Cotonete
25                    QUI                 Dia do Imigrante
26                    SEX                Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas
26                    SEX                Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura
26                    SEX                Dia do Professor de Geografia
27                    SÁB                Dia Nacional do Vôlei
27                    SÁB                Dia Nacional do Progresso
29                    SEG                Dia de São Pedro e São Paulo
29                    SEG                Dia do Papa
29                    SEG                Dia do Pescador
29                    SEG                Dia do Dublador
29                    SEG                Dia do Telefonista
30                    TER                Dia do Caminhoneiro

Fonte:


Aos leitores

Agradeço a confiança dos leitores neste trabalho. Aqui você encontra apenas ideias originais. Não há cópia-cola de publicações existentes. Após vários questionamentos de leitores sobre a veracidade dos assuntos veiculados, resolvi anexar fontes indexadas em todos os artigos, neutralizando qualquer tentativa de desacreditar este trabalho com a utilização de falácias. Desse modo, também passei a exigir que todas as contestações fossem provadas por meio de fontes indexadas. Este é o Blog oficial publicado por Heitor Borba. Clique em “Postagens mais antigas” para ler as edições anteriores. Para ampliar as fotos, clique com o mouse direito sobre a foto e em seguida “Abrir link em uma nova guia”. Informe-se, discuta, questione, critique, divulgue e envie sugestões. Bons conhecimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Críticas e sugestões técnicas serão bem-vidas. As dúvidas dos leitores devem ser postadas neste espaço.